A Cidade e a Cultura

Setúbal é um mosaico de possibilidades:

Da arte da azulejaria portuguesa à dança dos golfinhos, das igrejas do Barroco à Reserva Natural do Sado, da herança de Bocage à flora única da Arrábida, natureza e cultura integram-se num admirável mundo novo, que espera por si.

A Cidade e a Serra

Logo à saída da cidade buliçosa e movimentada fica o cenário irreal, pacificador da Arrábida. Nos seus mistérios e nos seus silêncios, nas suas praias e nos seus enredos, nos seus conventos e fortes, na sua fauna e flora, mora muito do fascínio que faz da Península de Setúbal uma região única no Mundo. E enquanto a Serra o recebe, afirma-se uma Cidade.

Cidade virada ao mar

Os pescadores e as suas embarcações, o rio e o mar são parte indissociável da identidade de Setúbal.
O colorido das centenas de embarcações ancoradas ao longo da zona ribeirinha contrasta com o bronze carregado da pele dos homens da faina.
Gente do mar, habituada a ultrapassar todos os desafios, com uma sabedoria e humor peculiares, capaz de pintar com palavras quadros que deixam qualquer um embevecido.
Comércio com tradição
É na zona da Baixa que se pode encontrar grande parte do comércio tradicional.
Lojas para todos os gostos, com representações de algumas das mais reconhecidas marcas mundiais, misturam-se com outras mais antigas, onde se descobrem algumas raridades e produtos menos convencionais.
Não só de comércio vive a Baixa. A cultura espreita a cada esquina, alguns edifícios são testemunhos vivos de uma cidade que cresceu, modernizou-se, sem esquecer o seu centro histórico.
Praticamente todas as ruas da Baixa convergem para a Praça de Bocage, um dos principais pontos de encontro das gentes de Setúbal e de quem visita a cidade.
As esplanadas da Praça – dedicada a um dos maiores vultos da poesia portuguesa – convidam a uma pausa. Enquanto saboreia uma bebida refrescante, deixe-se surpreender pelos artistas de rua que animam a zona nobre da cidade. A estátua do poeta Bocage, com os olhos postos no mar, é o ex-líbris da Praça mais concorrida da urbe.
Quase ninguém resiste em tirar uma fotografia junto do monumento que homenageia “Elmano Sadino”. Mesmo ali em frente, realce para a principal avenida da cidade, dedicada a Luísa Todi, nascida em Setúbal em 1753 e reconhecida como um dos maiores nomes de sempre da canção lírica.
É também na Praça de Bocage que se encontra o edifício dos Paços do Concelho, onde funciona a Câmara Municipal.

Arrábida ao natural

Considerada uma das mais belas serras portuguesas devido à localização privilegiada junto do mar e à biodiversidade que acolhe, a Arrábida, tem caraterísticas peculiares em termos de clima e de vegetação, vincadamente de cariz mediterrânico.
O nome da Serra, onde pontificam espécies únicas e dotada de temperaturas moderadas, provém do árabe e significa “local de oração”.
Desde 1976, o Parque Natural da Arrábida assegura a proteção dos cerca de 11 mil hectares de área, boa parte deles virados para o mar e a partir dos quais se avistam cenários deslumbrantes. Uma soberba paisagem de uma serra com pouco mais de 500 metros de altura mas imponente ao debruçar-se sobre um oceano de águas límpidas.
Ao recortar a Serra por entre uma estrada ondeante, que convida a desacelerar o ritmo, encontram-se os mais idílicos locais, desde praias a vales encantadores.
Destaque para áreas onde a vegetação conserva caraterísticas mais próximas das originais como a Mata do Solitário, a Mata do Vidal e a Mata Coberta, classificadas como reservas integrais. Gato-bravo, toirão, doninha, raposa, lebre, coelho e águia de Bonelli são algumas das mais de duas centenas de espécies registadas.
Mas não é só em terra que a zona é protegida. A riqueza subaquática da região da Arrábida é tal que este é o único parque marinho existente em Portugal continental.

Marca humana na Serra

Além do singular património natural, a Arrábida é rica em património edificado.
A Fortaleza de S. Filipe, o Forte de Santa Maria e o Convento da Arrábida são exemplos de uma secular coabitação harmoniosa entre a obra humana e a natureza. Situado na encosta sul da serra, o Convento da Arrábida, fundado em 1542 pelos frades franciscanos, possui uma arquitetura que, devido às suas características e modéstia de volumes, parece mais uma obra da natureza do que do Homem.
Ocupado pelos religiosos até 1834, atualmente é utilizado para fins culturais pela Fundação Oriente. Outra pérola da Arrábida, de visita obrigatória, é a Fortaleza de S. Filipe.
Transformada em pousada já no século XX, a partir daquela fortificação do século XVI a panorâmica é soberba. As vistas sobre a cidade, a baía de Setúbal, Troia, o rio Sado e o oceano são inenarráveis.
Localizado no Portinho da Arrábida, debruçado sobre o mar, o Forte de Santa Maria, erigido em 1670, por ordem do rei D. Pedro II, para proteção da zona costeira, merece também uma visita. Hoje, alberga o Museu Oceanográfico e um centro de biologia marinha, propriedade do Parque Natural da Arrábida.

Praias para todos os gostos

Embora com particularidades próprias, as praias de Setúbal comungam de uma característica que as torna únicas: estão todas inseridas no Parque Natural da Arrábida.
O Portinho da Arrábida, eleito uma das 7 Maravilhas Naturais de Portugal, tem uma enseada a servir de espelho ao verde da serra, que se debruça sobre o areal.
Propícia ao mergulho, encante-se com a fauna e flora únicas existentes nas águas límpidas do Portinho.
O mar calmo e a beleza da paisagem envolvente fazem da Figueirinha uma das mais conhecidas praias da região, tornando-a bastante concorrida durante a época balnear.
A pouca ondulação cria ótimas condições para nadar e o extenso areal convida a passeios mais demorados. A Praia da Figueirinha, galardoada com a Bandeira Azul, reúne ainda excelentes condições para a observação de espécies marinhas.
Espécies que abundam, também, na Praia de Galapos. Muito sossegada e abrigada, tem um mar calmo e de águas claras. É ideal para o mergulho e para a caça submarina.
De igual beleza, mas mais pequena, destaque para a Praia da Maria Esguelha, localizada pouco depois da saída da cidade em direção à Arrábida.